Fluxus apresenta projeto de manejo integrado de águas pluviais do Estádio de Brasília na 5ª Green Building Brasil (Green Building Int’l Conference and Expo 2014)

O Green Building Brasil é o maior encontro sobre construção sustentável realizado no país, sob os cuidados do Green Building Council (GBC) Brasil. Neste ano o evento está sendo  organizado em conjunto com o GBC Internacional, recebendo o Green Building International Conference and Expo, com as novidades mundiais do setor, bem como a visita de palestrantes de renome internacional.

Tendo sido convidado previamente para exposição na Expo GBC 2012, com a palestra “Design para Abundância – Design Ecológico aplicado ao manejo de água no ambiente construído”, Guilherme Castagna, diretor executivo da Fluxus, apresentará o projeto de manejo integrado de águas pluviais do Estádio Nacional de Brasília, em parceria com o arquiteto paisagista Benedito Abbud, com o tema “Arquitetura paisagística sustentável e manejo de águas pluviais no Estádio Nacional de Brasília”, no dia 07/Ago, às 9:30, no salão amarelo.

O empreendimento

O Estádio Nacional Mané Garrincha (ou Estádio Nacional de Brasília), impressiona pelas dimensões: com uma área construída de 218,8 mil m² e capacidade para 70 mil torcedores, é considerado o segundo maior estádio do Brasil. Com projeto de arquitetura assinado por Castro Mello Arquitetura Esportiva e arquitetura paisagística por Benedito Abbud, a construção traz uma solução inovadora no que compete ao manejo de água da chuva. A cobertura com área de 65 mil m² e o entorno do empreendimento com mais de 600 mil m² foram projetados para a retenção, infiltração, e melhoria da qualidade da água de escoamento superficial.

Essa estrategia de trabalho possui uma serie de nomenclaturas, como SUDS (Sistemas Urbanos de Drenagem Sustentavel), WSUD (Design Urbano Sensivel a Agua – Water Sensitive Urban Design), LID (Desenvolvimento de Baixo Impacto – Low Impact Development), Stormwater BMP’s (Boas Práticas na Gestão de Água de Chuva) e essencialmente busca ‘rehidratar’ a paisagem, principalmente urbana, em que o aumento indiscriminado das áreas impermeabilizadas impede a permanência da água no ambiente, causando enchentes nos fundos de vale, poluição de rios e córregos, redução da umidade do ar, ilhas de calor, e outros graves impactos à qualidade de vida.

Benedito Abbud e a equipe Fluxus Design Ecológico, elaboraram uma solução que integra elementos tais como biovaletas, lagos, wetlands e jardins de chuva ao desenho paisagístico. “Está prevista também a pavimentação com pisos drenantes, o que mantém grande porcentagem da permeabilidade natural do solo para receber as águas pluviais”, destaca Abbud que, no Brasil, estimulou de forma pioneira o desenvolvimento dessa tipologia de piso.

A melhoria da qualidade de água de escoamento é tão grande que possibilitou o aproveitamento da água nos usos não-potáveis do estádio, complementando os volumes retidos internamente pela cobertura, alcançando 100% do abastecimento nos vasos sanitários, mictórios, irrigação do campo, abastecimento de espelhos d’agua, e limpeza de áreas comuns, em um volume estimado de 16 milhões de litros por ano.

Perspectiva artística da implantação

Ambientes de estar e convívio junto à natureza abertos ao uso público com acessibilidade universal, equipamentos urbanos para lazer e práticas de esportes, calçamento e a construção de um museu a céu aberto sobre a história do futebol para valorizar questões sociais e culturais brasileiras também fazem parte do projeto.

Flora nativa e materiais ecológicos

A necessidade de redução no consumo de água direcionou a escolha das espécies do paisagismo. Nativas do cerrado, árvores como Copaíba, Buriti, Aroeira e Embiruçu têm como vantagem o consumo reduzido de água para irrigação e manutenção. “A arborização e materiais, como os pisos drenantes, contribuem para a devolução de área verde e permeável para a cidade, considerando que o local, anteriormente, abrigava apenas um grande estacionamento asfaltado”, ressalta Benedito Abbud.

Em harmonia com o ambiente e atrativas a pássaros, as árvores frutíferas também estarão presentes. Nesse caso, a opção foi pelas nativas produtoras de frutos como o jatobá do cerrado, o jamelão e o pequi, bastante popular na cozinha goiana. Ao todo, serão plantadas 6.500 árvores e palmeiras. Curiosidade: de um total de 12 espécies de árvores nativas do cerrado tombadas como Patrimônio Ecológico do Distrito Federal, nove serão integradas ao projeto.

Imagens do Estádio Nacional de Brasília: https://www.flickr.com/photos/pitangacomunicacao/sets/72157645804008223/

Matéria de capa da Revista Infraestrutura Urbana sobre o projeto de manejo de águas pluviais (Abr/2014)

http://pt.slideshare.net/guicastagna/revista-infraestrutura-mar2014-manejo-integrado-de-guas-pluviais-do-estdio-nacional-de-braslia

Serviço

Palestra Benedito Abbud e Guilherme Castagna – “Arquitetura paisagística sustentável e manejo de águas pluviais no Estádio Nacional de Brasília”

Data: 07 de agosto de 2014

Horário: 09h40

Evento: Conferência Internacional 5ª GreenBuilding Brasil

Local: Transamérica Expo Center

Saiba mais:

Benedito Abbud Arquitetura Paisagística – www.beneditoabbud.com.br

Fluxus Design Ecológico – https://fluxusdesignecologico.wordpress.com

GBC Brasil – www.gbcbrasil.org.br

Mais informações

Assessoria de imprensa Benedito Abbud

Atendimento: Milka Veríssimo – (11) 2369-4445 / 9 5761-2703 – contato1@pitanganews.com

Fluxus Design Ecológico

Guilherme Castagna – (11) 9 8316-2647 – fluxus@designecologico.net

Palestra no Escritório Piloto da Escola Politécnica da USP

De tanto em tanto sou convidado a oferecer palestras, e fico feliz em compartilhar com gente nova e empenhada, que está afim de ouvir e trocar experiências, duvidas e sonhos. Por estar na universidade me fez lembrar de minha retomada no mundo da Engenharia, e da sequência de palestras com o Professor Plinio Tomaz, que adotei como Mestre nesse reinício, um figura cuja atitude de compartilhar o conteúdo me ajudou a esclarecer muitas de minhas dúvidas, e que inspira meu barato de compartilhar materiais de estudo e de trabalho. Aliás, gratidão Plinio!

O filtro do dia foi a chuva que caiu implacável, depois de 30 dias de seca em SP, engarrafando o trânsito e empatando o meio de campo de quem estava a caminho da palestra, eu inclusive. Mas curto chuva, e o pessoal presente, pelo jeito, também. Sala cheia, conhecidos, amigos e gente nova, curto a vibe!  Me lembrou do Centro Acadêmico da Mauá, só faltou a mesa de pebolim, os gritos de truco, e o cheiro das máquinas de xerox, inconfundíveis.

 

 

10308336_740254199358254_143909627216261432_n

 

 

Prá não ter que reescrever algo que já foi escrito, compartilho aqui um relato produzido sobre o encontro:

“Realizada no dia 22 de Maio a convite do Escritório Piloto da Escola Politécnica no dia 22/Mai, a palestra e apresentação de Guilherme Castagna atraiu alunos de outros cursos da Universidade de São Paulo, além de alunos e professores de outras universidades, bem como de profissionais envolvidos na temática do uso sustentável da Água para uma apresentação voltada aos alunos do curso de Engenharia. Guilherme compartilhou sua trajetória como Engenheiro Civil, do encantamento inicial com o potencial realizador da engenharia e o início de carreira em obras de construção pesada, do descontentamento gerado pelo reconhecimento do impacto negativo das grandes obras e mudança de rumo profissional com o envolvimento com a permacultura e organizações sócio ambientais, até a retomada profissional como engenheiro, integrando sua formação acadêmica com a perspectiva do design ecológico, dedicado a unir as duas para a promoção de uma integração harmoniosa entre a sociedade e a agua. Destacou a visão em que os alunos passam a ser sementes de uma nova abordagem da engenharia, uma que enxerga e valoriza o potencial do homem no suporte a regeneração dos sistemas naturais, e promove o desenvolvimento da sociedade com base em princípios éticos e de abundancia, numa referencia a obra “Manual de Instruções da Espaçonave Terra”, do engenheiro e visionário americano Buckminster Fuller, e obviamente à permacultura.

Revisitou princípios básicos do design ecológico em aplicações praticas para o Manejo Integrado de Agua, destacando o potencial de geração de impacto positivo das edificações com a redução do consumo de água potável através da adoção de medidas e equipamentos de baixo consumo, complementado pelo aproveitamento de fontes locais para abastecimento de água não-potável, a integração da chuva na paisagem com adoção de técnicas de drenagem sustentável, e o tratamento diferenciado de águas servidas, com a valorização de tratamentos localizados para águas cinzas (sem fezes) e águas pretas (com fezes), fazendo referências à projetos de edifícios residenciais e comerciais, integrantes de seu portfolio de trabalho. Elucidou a aplicação prática dos princípios revisitando dois de seus mais conhecidos e premiados projetos: o Edifício Harmonia 57, vencedor do prêmio internacional Zumtobel 2010 de Sustentabilidade no Ambiente Construído, e destaque nas Bienais de Veneza e de São Paulo, para o qual desenvolveu estratégia e projeto técnico de instalações hidráulicas, aproveitamento de agua de drenagem e de agua de chuva, alinhados a perspectiva do desenvolvimento de baixo impacto (LID – Low Impact Development), em que é minimizado o escoamento superficial, e promovida a melhoria da qualidade da água de escoamento, com uso de telhado verde, paredes verdes dotadas de irrigação por nebulização, e infiltração de água. A seguir despertou a atenção o desenvolvimento de projeto de manejo integrado de aguas pluviais elaborado entre 2012 e 2013 para o entorno do Estádio Nacional de Brasília, em que 100% do uso de agua não-potável do estádio será de água de chuva, tanto dos volumes captado nas coberturas, mas em especial pelos volumes retidos nos elementos de drenagem sustentável adotados, como pavimentos permeáveis, biovaletas, jardins de chuva, wetlands, e um lago, dotado de bombas solares para recirculação e posterior uso para usos não-potáveis no interior do estádio. O estádio hoje pleiteia o nível máximo de certificação LEED, no nível Platinum, certificação não atingida por nenhum outro estádio no mundo. O projeto desenvolvido pela Fluxus Design Ecológico, escritório coordenado por Guilherme, superou as exigências para a certificação estabelecido pelos créditos 6.1 e 6.2, e alcançou níveis exemplares abrindo espaço para pleitear créditos adicionais em função de sua excelência.

O material apresentado está disponível para visualização e download no endereço http://pt.slideshare.net/guicastagna/palestra-no-escritrio-piloto-da-escola-politcnica-da-usp

Apesar de rápido, adorei o encontro, e me empolgo com as possibilidades de facilitar a criação de um espaço renovado dentro da academia para que Engenharia e Permacultura sigam caminhando de mãos dadas, fluindo nas mentes e corações inspirados dos novos alunos, e nas ações promissoras dos futuros engenheiros-permacultores. Convites de parcerias com universidades reforçam  o sentimento. Que assim seja!

PS: Meu sincero agradecimento ao Lucca do EP pelo convite, e ao Bruno pela carona…