Flowforms, Natureza Rítmica da Água e outros…4 cursos de Paul Van Dijk em Outubro no Brasil

Alguns de vocês devem se lembrar do post “Aplicação da tecnologia flowforms para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)” que fiz em Junho do ano passado, anunciando uma série de cursos conduzidos por Paul Van Dijk.

wa

Flowforms aplicados em espaço público na Bélgica (Foto de Paul Van Dijk)

Animado com a perspectiva de conhecer de perto o trabalho de Paul e sua experiência com a aplicação dos flowforms para revitalização de água em estações de tratamento de esgotos, decidi participar do curso “Natureza Rítmica da Água”. Cheguei com a expectativa de ver flowforms funcionando, e saí com a certeza de ter “virado a chave”, de ter revigorado e renovado meu olhar para a Água, compreendendo que ela é de fato um mistério muito maior do que imaginamos, e que estamos apenas triscando em sua superfície. Como disse Paul no primeiro dia de curso, logo após um entre tantos exercícios de observação fenomenológica: “Água é Amor em forma de matéria”. Foi um curso para tocar fundo nos sentidos, de deixar de lado a razão e a lógica e simplesmente observar sem julgar, intuir, e deixar ser sensibilizado e ensinado pela Água.

Inspirado pelo aniversário de 1 ano desde esse momento, me animei a juntar força aos amigos do Curso do Rio para trazer Paul novamente ao Brasil para uma série de 4 cursos imperdíveis, 2 realizados em São Paulo (com apoio de Rios e Ruas!), e outros 2 cursos em imersão em Ilhabela.

Foto de Guilherme Castagna.jpg

Desta vez terei a honra de traduzir os dois cursos oferecidos em São Paulo, no Dojô Harmonia: Água – Equilíbrio Dinâmico Entre Polaridades, e Um Novo Olhar Para as Plantas, além de participar como ouvinte do curso em Ilhabela.

Para mim a grande mágica de Paul, que além de experiente projetista de flowforms (tendo sido aluno direto de John Wilkes – autor do livro “Flowforms“), é ainda artista plástico, escultor, dançarino e professor de fenomenologia de Goethe, é fazer com que cada aluno aprenda por si, através de suas próprias vivências ao longo de exercícios que reúnem movimento corporal, observação, escultura em argila, desenho livre, e outras técnicas.

Se quiser saber mais sobre a tecnologia flowforms, acesse o artigo “Aplicação da tecnologia flowforms para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)“.

Para saber mais sobre os cursos de Paul Van Dijk no Brasil acesse o site do Curso do Rio.

Agradeço por partilhar em suas redes, e espero ver muitos de vocês ao longo desses encontros!

Um grande abraço,

 

Guilherme Castagna

Palestra no Escritório Piloto da Escola Politécnica da USP

De tanto em tanto sou convidado a oferecer palestras, e fico feliz em compartilhar com gente nova e empenhada, que está afim de ouvir e trocar experiências, duvidas e sonhos. Por estar na universidade me fez lembrar de minha retomada no mundo da Engenharia, e da sequência de palestras com o Professor Plinio Tomaz, que adotei como Mestre nesse reinício, um figura cuja atitude de compartilhar o conteúdo me ajudou a esclarecer muitas de minhas dúvidas, e que inspira meu barato de compartilhar materiais de estudo e de trabalho. Aliás, gratidão Plinio!

O filtro do dia foi a chuva que caiu implacável, depois de 30 dias de seca em SP, engarrafando o trânsito e empatando o meio de campo de quem estava a caminho da palestra, eu inclusive. Mas curto chuva, e o pessoal presente, pelo jeito, também. Sala cheia, conhecidos, amigos e gente nova, curto a vibe!  Me lembrou do Centro Acadêmico da Mauá, só faltou a mesa de pebolim, os gritos de truco, e o cheiro das máquinas de xerox, inconfundíveis.

 

 

10308336_740254199358254_143909627216261432_n

 

 

Prá não ter que reescrever algo que já foi escrito, compartilho aqui um relato produzido sobre o encontro:

“Realizada no dia 22 de Maio a convite do Escritório Piloto da Escola Politécnica no dia 22/Mai, a palestra e apresentação de Guilherme Castagna atraiu alunos de outros cursos da Universidade de São Paulo, além de alunos e professores de outras universidades, bem como de profissionais envolvidos na temática do uso sustentável da Água para uma apresentação voltada aos alunos do curso de Engenharia. Guilherme compartilhou sua trajetória como Engenheiro Civil, do encantamento inicial com o potencial realizador da engenharia e o início de carreira em obras de construção pesada, do descontentamento gerado pelo reconhecimento do impacto negativo das grandes obras e mudança de rumo profissional com o envolvimento com a permacultura e organizações sócio ambientais, até a retomada profissional como engenheiro, integrando sua formação acadêmica com a perspectiva do design ecológico, dedicado a unir as duas para a promoção de uma integração harmoniosa entre a sociedade e a agua. Destacou a visão em que os alunos passam a ser sementes de uma nova abordagem da engenharia, uma que enxerga e valoriza o potencial do homem no suporte a regeneração dos sistemas naturais, e promove o desenvolvimento da sociedade com base em princípios éticos e de abundancia, numa referencia a obra “Manual de Instruções da Espaçonave Terra”, do engenheiro e visionário americano Buckminster Fuller, e obviamente à permacultura.

Revisitou princípios básicos do design ecológico em aplicações praticas para o Manejo Integrado de Agua, destacando o potencial de geração de impacto positivo das edificações com a redução do consumo de água potável através da adoção de medidas e equipamentos de baixo consumo, complementado pelo aproveitamento de fontes locais para abastecimento de água não-potável, a integração da chuva na paisagem com adoção de técnicas de drenagem sustentável, e o tratamento diferenciado de águas servidas, com a valorização de tratamentos localizados para águas cinzas (sem fezes) e águas pretas (com fezes), fazendo referências à projetos de edifícios residenciais e comerciais, integrantes de seu portfolio de trabalho. Elucidou a aplicação prática dos princípios revisitando dois de seus mais conhecidos e premiados projetos: o Edifício Harmonia 57, vencedor do prêmio internacional Zumtobel 2010 de Sustentabilidade no Ambiente Construído, e destaque nas Bienais de Veneza e de São Paulo, para o qual desenvolveu estratégia e projeto técnico de instalações hidráulicas, aproveitamento de agua de drenagem e de agua de chuva, alinhados a perspectiva do desenvolvimento de baixo impacto (LID – Low Impact Development), em que é minimizado o escoamento superficial, e promovida a melhoria da qualidade da água de escoamento, com uso de telhado verde, paredes verdes dotadas de irrigação por nebulização, e infiltração de água. A seguir despertou a atenção o desenvolvimento de projeto de manejo integrado de aguas pluviais elaborado entre 2012 e 2013 para o entorno do Estádio Nacional de Brasília, em que 100% do uso de agua não-potável do estádio será de água de chuva, tanto dos volumes captado nas coberturas, mas em especial pelos volumes retidos nos elementos de drenagem sustentável adotados, como pavimentos permeáveis, biovaletas, jardins de chuva, wetlands, e um lago, dotado de bombas solares para recirculação e posterior uso para usos não-potáveis no interior do estádio. O estádio hoje pleiteia o nível máximo de certificação LEED, no nível Platinum, certificação não atingida por nenhum outro estádio no mundo. O projeto desenvolvido pela Fluxus Design Ecológico, escritório coordenado por Guilherme, superou as exigências para a certificação estabelecido pelos créditos 6.1 e 6.2, e alcançou níveis exemplares abrindo espaço para pleitear créditos adicionais em função de sua excelência.

O material apresentado está disponível para visualização e download no endereço http://pt.slideshare.net/guicastagna/palestra-no-escritrio-piloto-da-escola-politcnica-da-usp

Apesar de rápido, adorei o encontro, e me empolgo com as possibilidades de facilitar a criação de um espaço renovado dentro da academia para que Engenharia e Permacultura sigam caminhando de mãos dadas, fluindo nas mentes e corações inspirados dos novos alunos, e nas ações promissoras dos futuros engenheiros-permacultores. Convites de parcerias com universidades reforçam  o sentimento. Que assim seja!

PS: Meu sincero agradecimento ao Lucca do EP pelo convite, e ao Bruno pela carona…

 

Resultados do WORKSHOP de Aproveitamento de Água de chuva na Casinha

Queridos amigos e parceiros.

Para manter os amantes da água atualizados, assim como todos os outros interessados pela engenharia da água e permacultura, e suas novas formas de relação no dia-a-dia, seguem as imagens dos resultados do WORKSHOP de aproveitamento de água de chuva simplificado realizados no escritório compartilhado entre Fluxus, Livraria Tapioca.Net, EcoSapiens e Estúdio Varanda, durante os dias 22 e 26 de Abril de 2014, na Zona Oeste de São Paulo, SP. Idealizado para pessoas com ou sem experiência, independente de suas formações, teve como objetivo implantar um sistema simplificado de aproveitamento em pequena escala, mas que apresentasse todos os elementos de projeto, independente da escala do projeto a ser desenvolvido: filtro de folhas, descarte de primeira água, freio d’agua, ladrão, etc.

Abaixo algumas fotos do desenvolvimento do WORKSHOP.

 

Apresentação do Exercício em Grupo Pré-projeto

Apresentação do exercício em grupo e apresentação de pré-projeto

Discussão em grupos para montagem dos equipamentos necessários ao Sist. de AAC

Discussão em grupos para montagem dos equipamentos necessários ao sistema de Aproveitamento de Água de Chuva

Equipe da Cisterna trabalhando

Equipe trabalhando sobre uma cisterna de IBC

Esforço Coletivo para monstagem do Sistema de Descarte Inicial

Esforço Coletivo para monstagem do Sistema de Descarte Inicial

Apoiando a cisterna no seu devido lugar.

Apoiando a cisterna no seu devido lugar

Detalhe do filtro de folhas instalado.

Detalhe do filtro de folhas instalado

Sistema de descarte inicial

Sistema de descarte inicial

Equipe reunida após trabalho coletivo.

Equipe reunida após trabalho coletivo

Aula teórica

Aula teórica

Explicação das rotinas de operação e manutenção do sistema

Explicação das rotinas de operação e manutenção do sistema

Missão cumprida. Agora é aguardar as plantas se desenvolverem.

Missão cumprida. Agora é aguardar as plantas se desenvolverem

O sistema agora vai se integrar ao futuro telhado verde, que será objetivo de uma pesquisa para desenvolvimento de um trabalho de conclusão de curso (TCC), que irá avaliar a capacidade de retenção de água em telhados verdes de diferentes perfis de substrato, bem como a qualidade da água captada em cada módulo do telhado.

Agradeço à todos que estiveram presentes e puderam participar, assim como aqueles que de alguma forma auxiliaram no processo de construção e desenvolvimento do evento, que foi um Sucesso!

Fiquem atentos a notícias e agendas de eventos, divulgadas através do blog e facebook.

Interessou? Cadastre-se no blog e receba as informações postadas aqui.

 

Atenciosamente,

Leonardo Tannous e Equipe Fluxus

 

WORKSHOP – APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA DE BAIXO IMPACTO – SP

Bem vindos !

É com louvor que apresentamos mais um evento relacionado ao cuidado das Águas no meio urbano.

Aproveitamento da água de chuva em habitações uni-familiares, escritórios compartilhados, sedes de ONG´s,  escolas e creches, seja no meio urbano quanto no meio rural, do semi-árido e caatinga até regiões úmidas.

Este Workshop se destina a arquitetos, engenheiros, projetistas, amantes das águas, permacultores, interessados e pessoas conectadas ao cuidado da água e a redução no consumo de água potável, Bem finito e indispensável para a Manutenção da Vida na Terra.

Convite para WORKSHOP de Aproveitamento de Água de chuva em São Paulo-SP.

Convite para WORKSHOP de Aproveitamento de Água de chuva em São Paulo-SP.

Facilitador:

Leonardo Tannous possui graduação pelo Centro Universitário Senac (2009) como Engenheiro Ambiental, Livre Docência em Permacultura (2008), Paisagista pela Escola Municipal de Jardinagem SVMA (2010) e Designer para a Sustentabilidade – Eccovillage Design Programme – Gaia Education – UMAPAZ/SVMA (2008). Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, com ênfase em manejo integrado de água na paisagem, atuando em projetos de aproveitamento de água de chuva, sistemas urbanos de drenagem sustentável, tratamento biológico de efluentes, e como educador socioambiental. Membro da Fluxus Design Ecológico desde Out/2010.

Sobre a Fluxus Design Ecológico:

Fluxus Design Ecológico atua na criação de ambientes regeneradores a partir do manejo integrado de água, em áreas urbanas ou rurais, da escala residencial à comercial ou industrial. É constituída por profissionais com formação acadêmica em arquitetura, agronomia, engenharia civil e ambiental, tendo a Permacultura como elo comum. Fluxus destaca-se pelo desenvolvimento de soluções customizadas de manejo integrado de Água, que contemplam estratégias conjuntas de atendimento das necessidades de curto, médio e longo prazo de empreendimentos, e das demandas do ambiente natural, aliadas a escolhas tecnológicas que apresentem mínimo consumo de recursos, baixa manutenção, alta eficiência, simplicidade de operação, e que essencialmente sirvam de inspiração para uma nova forma de se relacionar com a Água.

DATA:

22 de Abril das 19:00hs às 22:00hs (TEORIA)

&

26 de Abril das 08:30hs às 17:30hs (PRÁTICA)

2014.

Investimento:

R$120,00 à vista

Ou em 2x sendo a primeira parcela no ato da inscrição

e a segunda parcela no dia do evento.

 

Condições especiais para grupos. Entre em contato e verifique.

 

Local:

Rua Pedro Soares de Almeida, 78

 São Paulo, SP (10min do Metrô Vila Madalena)

DÚVIDAS & INSCRIÇÕES:

E-mail: pensaragua@outlook.com

Tel: (11)95146.2776 –tim – ERIKA

(11) 97996.1122 – vivo – LEONARDO

Para efetuar a inscrição é necessário efetuar o depósito

e enviar comprovante anexado para o e-mail acima.

Contamos com sua presença!

Gestão integrada da água – matéria na revista Infraestrutura

Matéria escrita por Guilherme Castagna para a revista Infraestrutura (editora Pini), edição de Ago/2012, disponível no endereço:

http://www.infraestruturaurbana.com.br/solucoes-tecnicas/17/artigo263166-1.asp

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Gestão integrada da água

A descentralização e integração dos sistemas de manejo de água podem viabilizar o uso de tecnologias de baixo impacto, com custo reduzido e alta qualidade no tratamento

Em diversas áreas do conhecimento, cientistas se voltam à natureza como fonte de inspiração para resolução de problemas complexos, compreendendo que os seres e sistemas que estão a nossa volta são resultado de um longo processo de design, afinado em seus mínimos detalhes numa busca de regeneração, evolução e proliferação constante da vida. No que se refere à água, vale lembrar que num simples dia milhares de quilômetros cúbicos são reciclados e purificados utilizando energia gratuita do sol, sendo disponibilizados livremente para todas as formas de vida, tão pura quanto possível.

[Para criar sistemas de manejo de água que envolvam o abastecimento, tratamento de águas residuárias e drenagem de maneira integrada, é fundamental incorporar dois conceitos básicos: descentralização e integração]

Em contraste a essas referências, observamos a realidade da maioria das cidades brasileiras, em que predomina um modelo inadequado, em que o aumento de concentração demográfica e das atividades humanas gera um ciclo vicioso de contaminação dos recursos hídricos locais, e por consequência a busca de volumes cada vez maiores de fontes cada vez mais escassas e distantes, gerando um cenário de crescente escassez.

Para criar sistemas de manejo de água que envolvam o abastecimento, tratamento de águas residuárias e drenagem, pautados nos princípios de funcionamento dos sistemas naturais, é fundamental incorporar dois conceitos básicos: descentralização e integração. Tomemos a dinâmica da água em bacias hidrográficas como ponto de partida. Imagine a ampla rede de nascentes, córregos, riachos e rios formadores de uma determinada bacia, e pense nela como um sistema de abastecimento de água.

Além de trabalhar por gravidade, o comprometimento em termos qualitativos ou quantitativos de uma das “n” ramificações (descentralização) não interfere significativamente na qualidade e no volume total do rio principal (integração), o que confere ao sistema segurança, flexibilidade e resiliência, aspectos fundamentais em sistemas públicos de abastecimento de água.

O princípio de descentralização também pode ser aplicado aos sistemas de tratamento de esgoto, que atendendo núcleos reduzidos podem recorrer a tecnologias de baixo impacto, trabalhando por gravidade (na medida do possível), com custo inferior, e resultados qualitativos muito superiores a sistemas centralizados de grande porte, que também podem contribuir para o abastecimento de consumo não potável local, fortalecendo a integração entre os sistemas. Uma referência prática são as centenas de estações de tratamento de efluentes distribuídas em Berlin.

Os topos de morro são áreas fundamentais para a recarga dos lençóis freáticos, por meio da lenta liberação de água retida na cobertura vegetal e nos interstícios do solo, reduzindo ao mínimo o escoamento superficial de água, colaborando para a manutenção do fluxo de água dos rios e córregos e mantendo desta forma a qualidade e a disponibilidade de água do já referido sistema de abastecimento.

Infraestrutura verde é o nome dado ao conceito que incorpora o planejamento e construção de estruturas de drenagem sustentável que lidam de forma análoga ao sistema natural, retendo água pluvial localmente (descentralização) e potencializando a melhora da qualidade da água para o abastecimento local para fins não potáveis, ou mesmo para o abastecimento de corpos d’água (integração). O desafio de incorporar estes princípios em sistemas já construídos é complexo, mas o resultado compensa o esforço da transição.

Guilherme Castagna engenheiro civil, designer ecológico e coordenador de projetos da Fluxus Design Ecológico.