Palestra gratuita no 2º CONAPA

Reidratando a paisagem urbana com água de chuva é o tema da palestra online GRATUITA* que oferecerei no 2º CONAPA, Congresso Nacional de Paisagismo Online, que acontecerá de 04 a 08 de Setembro de 2017.

A palestra será transmitida pelo site do evento no dia 08/Set, às 10hs, seguida pela palestra do Josivan Benegate (iliminação no paisagismo) às 14hs, e pelo Raul Cânovas às 20hs.

Minha gratidão ao parceiro Caio Ferraz, diretor dos clássicos docs Entre Rios, e Volume Vivo, pela disposição em gravar, dirigir e editar todo o material, que ficará disponível posteriormente no novo site da Fluxus.

Agora, se você quer aprender na prática a reidratar a paisagem urbana e rural com Água de chuva, venha participar do curso “Criando Paisagens Produtivas com Água de Chuva“, que acontece agora, durante os dias 16 a 18/Junho no Espaço Almagestum, em Pedra Bela/SP.

No curso do ano passado construímos uma base para um lago de 400.000 litros que vamos reformar pontualmente durante o curso. Ainda assim, estimo que desde Novembro do ano passado mais de 1.500.000 de litros infiltraram na área do lago, elevando o nível do lençol freático em 70cm, praticamente dobrando nossa disponibilidade de água no poço.

Além desse, assumi um desafio de construir uma cisterna de 23.000 litros em terra ensacada (hiperadobe) e depois vitrificá-la através da exposição ao fogo, conforme os ensinamentos do Mestre Nader Khalili, inventor da técnica do Superadobe, e autor do livro “Ceramic Houses and Earth Architecture” – onde ele descreve os passos para a construção de casas cerâmicas, e que eu agora adaptei para este experimento. A cisterna será vitrificada antes do curso para que possamos avaliar e explorar o processo de aprendizagem.

Vamos trabalhar ainda no replantio de nosso jardim de chuva, e na conclusão de um novo telhado verde sobre o meu futuro escritório. Mas como parte do meu trabalho hoje é voltado para cidades, ainda vamos explorar soluções para áreas urbanas como os telhados azuis, canteiros drenantes, jardins de chuva em calçadas, pavimentos permeáveis, e outras brincadeiras.

 

Com minhas melhores saudações aquáticas,

Guilherme

(*) Todas as palestras do 2º CONAPA são gratuitas no momento da transmissão. O conjunto de palestras estará disponível para exibição, depois da transmissão, mediante o pagamento de um pacote, já disponível no site. Minha apresentação ficará disponível e aberta no site http://www.fluxus.eco.br, após a realização do congresso.

agua_FACEBOOK5

Criando paisagens produtivas com água de chuva

Se você enxerga abundância quando vê água de chuva, este curso é para você! Venha aprender a construir paisagens vibrantes usando um conjunto de elementos que recriam a dinâmica de abundância do ciclo hidrológico, na paisagem urbana ou rural. Jardins de chuva, cisternas, pavimentos permeáveis, canais de infiltração, lagos, telhados verdes e mais!

Um curso teórico-prático coordenado por Guilherme Castagna, engenheiro civil, permacultor e ativista, co-idealizador do movimento Cisterna Já e do PermaSampa, com atuação junto à Aliança pela Água. Oferece cursos de manejo integrado de água e de permacultura há mais de 10 anos. Projetou sistemas com capacidade de armazenamento de 200 a 6 milhões de litros, de comunidades em vulnerabilidade social a grandes empreendimentos e indústrias.

Quando: 26 e 27/Nov

Onde: Espaço Almagestum, Pedra Bela/SP

Mais informações:

 

Fique ligado ainda em outros dois eventos em que iremos participar neste mês:

cartaz_fluxus3

Palestra no Seminário Nacional de Arquitetura Paisagística – 27/Abr

Como projetar paisagens que acolham e integrem a água de maneira funcional em seus projetos? Como escolher plantas apropriadas para baixa disponibilidade de água? Como projetar áreas verdes considerando as possibilidades de incorporar água de reuso? Essas são algumas questões abordadadas no Seminário Nacional: Arquitetura Paisagística em tempos de crise hídrica, no qual teremos o prazer de oferecer uma palestra focada na incorporação dos conceitos da dita “Infraestrutura Verde”, ou por assim dizer, dos serviços ecossistêmicos oferecidos pela natureza inseridos num contexto de planejamento urbano em que o manejo apropriado de água passa a ser incorporado como elemento fundamental para a criação de cidades mais resilientes. Bom assunto para um, ou mais dedos de prosa!

Mais informações em http://www.abap.org.br

Sem título-1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saudações!

Fluxus apresenta projeto de manejo integrado de águas pluviais do Estádio de Brasília na 5ª Green Building Brasil (Green Building Int’l Conference and Expo 2014)

O Green Building Brasil é o maior encontro sobre construção sustentável realizado no país, sob os cuidados do Green Building Council (GBC) Brasil. Neste ano o evento está sendo  organizado em conjunto com o GBC Internacional, recebendo o Green Building International Conference and Expo, com as novidades mundiais do setor, bem como a visita de palestrantes de renome internacional.

Tendo sido convidado previamente para exposição na Expo GBC 2012, com a palestra “Design para Abundância – Design Ecológico aplicado ao manejo de água no ambiente construído”, Guilherme Castagna, diretor executivo da Fluxus, apresentará o projeto de manejo integrado de águas pluviais do Estádio Nacional de Brasília, em parceria com o arquiteto paisagista Benedito Abbud, com o tema “Arquitetura paisagística sustentável e manejo de águas pluviais no Estádio Nacional de Brasília”, no dia 07/Ago, às 9:30, no salão amarelo.

O empreendimento

O Estádio Nacional Mané Garrincha (ou Estádio Nacional de Brasília), impressiona pelas dimensões: com uma área construída de 218,8 mil m² e capacidade para 70 mil torcedores, é considerado o segundo maior estádio do Brasil. Com projeto de arquitetura assinado por Castro Mello Arquitetura Esportiva e arquitetura paisagística por Benedito Abbud, a construção traz uma solução inovadora no que compete ao manejo de água da chuva. A cobertura com área de 65 mil m² e o entorno do empreendimento com mais de 600 mil m² foram projetados para a retenção, infiltração, e melhoria da qualidade da água de escoamento superficial.

Essa estrategia de trabalho possui uma serie de nomenclaturas, como SUDS (Sistemas Urbanos de Drenagem Sustentavel), WSUD (Design Urbano Sensivel a Agua – Water Sensitive Urban Design), LID (Desenvolvimento de Baixo Impacto – Low Impact Development), Stormwater BMP’s (Boas Práticas na Gestão de Água de Chuva) e essencialmente busca ‘rehidratar’ a paisagem, principalmente urbana, em que o aumento indiscriminado das áreas impermeabilizadas impede a permanência da água no ambiente, causando enchentes nos fundos de vale, poluição de rios e córregos, redução da umidade do ar, ilhas de calor, e outros graves impactos à qualidade de vida.

Benedito Abbud e a equipe Fluxus Design Ecológico, elaboraram uma solução que integra elementos tais como biovaletas, lagos, wetlands e jardins de chuva ao desenho paisagístico. “Está prevista também a pavimentação com pisos drenantes, o que mantém grande porcentagem da permeabilidade natural do solo para receber as águas pluviais”, destaca Abbud que, no Brasil, estimulou de forma pioneira o desenvolvimento dessa tipologia de piso.

A melhoria da qualidade de água de escoamento é tão grande que possibilitou o aproveitamento da água nos usos não-potáveis do estádio, complementando os volumes retidos internamente pela cobertura, alcançando 100% do abastecimento nos vasos sanitários, mictórios, irrigação do campo, abastecimento de espelhos d’agua, e limpeza de áreas comuns, em um volume estimado de 16 milhões de litros por ano.

Perspectiva artística da implantação

Ambientes de estar e convívio junto à natureza abertos ao uso público com acessibilidade universal, equipamentos urbanos para lazer e práticas de esportes, calçamento e a construção de um museu a céu aberto sobre a história do futebol para valorizar questões sociais e culturais brasileiras também fazem parte do projeto.

Flora nativa e materiais ecológicos

A necessidade de redução no consumo de água direcionou a escolha das espécies do paisagismo. Nativas do cerrado, árvores como Copaíba, Buriti, Aroeira e Embiruçu têm como vantagem o consumo reduzido de água para irrigação e manutenção. “A arborização e materiais, como os pisos drenantes, contribuem para a devolução de área verde e permeável para a cidade, considerando que o local, anteriormente, abrigava apenas um grande estacionamento asfaltado”, ressalta Benedito Abbud.

Em harmonia com o ambiente e atrativas a pássaros, as árvores frutíferas também estarão presentes. Nesse caso, a opção foi pelas nativas produtoras de frutos como o jatobá do cerrado, o jamelão e o pequi, bastante popular na cozinha goiana. Ao todo, serão plantadas 6.500 árvores e palmeiras. Curiosidade: de um total de 12 espécies de árvores nativas do cerrado tombadas como Patrimônio Ecológico do Distrito Federal, nove serão integradas ao projeto.

Imagens do Estádio Nacional de Brasília: https://www.flickr.com/photos/pitangacomunicacao/sets/72157645804008223/

Matéria de capa da Revista Infraestrutura Urbana sobre o projeto de manejo de águas pluviais (Abr/2014)

http://pt.slideshare.net/guicastagna/revista-infraestrutura-mar2014-manejo-integrado-de-guas-pluviais-do-estdio-nacional-de-braslia

Serviço

Palestra Benedito Abbud e Guilherme Castagna – “Arquitetura paisagística sustentável e manejo de águas pluviais no Estádio Nacional de Brasília”

Data: 07 de agosto de 2014

Horário: 09h40

Evento: Conferência Internacional 5ª GreenBuilding Brasil

Local: Transamérica Expo Center

Saiba mais:

Benedito Abbud Arquitetura Paisagística – www.beneditoabbud.com.br

Fluxus Design Ecológico – https://fluxusdesignecologico.wordpress.com

GBC Brasil – www.gbcbrasil.org.br

Mais informações

Assessoria de imprensa Benedito Abbud

Atendimento: Milka Veríssimo – (11) 2369-4445 / 9 5761-2703 – contato1@pitanganews.com

Fluxus Design Ecológico

Guilherme Castagna – (11) 9 8316-2647 – fluxus@designecologico.net