Drenagem Urbana: Como desafogar as cidades (26/Abr, 8:30)

Resiliência é uma palavra que consta do vocabulário básico de todo estudante de ecologia, e que precisa urgentemente fazer parte do dia a dia de todos, em especial dos técnicos e gestores públicos responsáveis pelos recursos hídricos das centenas de municípios de nosso país. O termo, em ecologia, se refere à capacidade de um sistema voltar ao equilíbrio após uma perturbação. Neste sentido, e em respeito à crise hídrica que atinge o sudeste há anos, percebemos a enorme fragilidade dos sistemas de saneamento, ou sua total falta de resiliência, principalmente porque são tratados de forma isolada, e numa abordagem centralizada. Isolada porque separam-se a gestão dos serviços de abastecimento de água, tratamento de águas servidas, manejo de águas pluviais (comumente referido como “drenagem”), e de gestão dos resíduos sólidos, todos integrantes de uma mesma dinâmica. A “drenagem”, termo usado erroneamente para referenciar o manejo de água de chuva na cidade, também faz parte deste mesma visão equivocada de recorrer a grandes obras e soluções centralizadas para solução do problema das enchentes. Ora, se drenagem é a intervenção feita em um determinado ambiente para remover a água da forma mais eficiente e rápida possível, não é de se estranhar o fato de termos enchentes em pleno período de seca, afinal, isso acaba por conduzir toda água coletada (sem a menor consideração pela presença de poluentes diversos coletados em seu percurso), aos rios que desaguam rapidamente os volumes coletados nos fundos de vale. Além das enchentes a drenagem pura e simples, adotada como norma para a gestão de aguá de chuva, causa a poluição dos rios e demais corpos d’agua, e a “desidratação” das áreas atendidas, removendo água que poderia de outra forma ser retida e eventualmente infiltrada em estruturas apropriadas, fortalecendo a realização dos serviços ecossistêmicos que poderiam ser realizados mesmo em grandes núcleos urbanos como São Paulo. E neste enfoque que ofereceremos a palestra “Técnicas naturalísticas de drenagem urbana”, parte integrante do seminário realizado pela divisão de Saneamento da FIESP, nesta próxima terça a partir das 8:30, juntamente aos grandes Mestres Luiz Orsini, Renato Zuccolo, e Stela Goldenstein (Associação Águas Claras do Rio Pinheiros).

A entrada é gratuita!

Mais informações disponíveis em http://www.fiesp.com.br/agenda/workshop-de-infraestrutura-saneamento-drenagem-urbana-como-desafogar-as-cidades/

O arquivo da apresentação está disponível para download em http://bit.ly/1TvhIGH

flier

Expedição Rio Doce Vivo – trabalhando pela regeneração do Rio Doce e suas comunidades

Enquanto o governo e os responsáveis seguem distante das ações relevantes, e a população vive anestesiada em frente à TV pela briga dos podres poderes no Planalto, uma equipe de 7 pessoas, entre educadores, engenheiros, artistas e documentaristas se lançaram rumo ao Rio Doce, dispostos a conhecer de perto os efeitos da terrível catástrofe causada pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério de propriedade da mineradora Samarco (joint venture entre a australiana BHP Billiton e a Vale), levando ações educativas para uma série de comunidades atingidas. Oficinas de construção de cisternas e de filtro lento de areia para purificação de água em regiões cujo abastecimento de água foi interrompido, reuniões de trabalho para fortalecimento de iniciativas de grupos locais, rodas de conversa, cinema móvel, visitas e tomada de amostras de campo para análise técnica em preparação ao planejamento da segunda etapa da viagem, que acontecerá em Janeiro, em data a ser definida.

A realização da expedição está sendo custeada por um financiamento coletivo, aberto até dia 21/Dez, e ainda precisa de apoio.

20151216, financiamento coletivo

 

A Fluxus apoia a Expedição Rio Doce Vivo. Apoie você também, ajude a divulgar, e junte-se ao grupo neste movimento de restauração do Rio Doce!
Para saber mais acesse a página da Expedição no face http://bit.ly/expedicaoriodocevivonoface

 

 

 

Palestra na FEC-UNICAMP (Faculdade de Engenharia Civil): Novas possibilidades para o tratamento de esgoto

O evento será realizado no dia 16 de novembro das 14:00 às 17:00 no Auditório da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo- FEC – na Unicamp.
O Seminário promoverá o debate sobre a realidade do tratamento descentralizado de esgoto em zonas rurais no Brasil e algumas alternativas para o tratamento de esgoto baseadas na Permacultura e fitodepuração.
O evento contará com três palestras seguidas de um debate mediado pelo Professor Adriano Luiz Tonetti, da FEC.

Seminário FEC 16/Nov

Vagas limitadas!

Para mais informações acesse o Facebook da FEC:
https://www.facebook.com/ppgfec/?fref=ts

Para fazer sua inscrição acesse:
https://docs.google.com/forms/d/1g6ONK8sZyG5RW51o4_71rkV2yyo8LJppDVgGGyvV9mI/viewform?c=0&w=1

Para maiores informações sobre a localização do Auditório da FEC acesse:
http://www.fec.unicamp.br/itf/index_1.php?pg=44.php&secaoGeral=2

Lançamento do Doc Volume Vivo – episódio 2

Aconteceu na quinta passada, na Sala Crisantempo em São Paulo, o lançamento oficial do segundo episódio do Volume Vivo, um documentário produzido pelo diretor Caio Ferraz, e dividido em 4 episódios que procura explorar as causas e possíveis soluções para a crise da água que paira sobre o Sudeste do país. Caio também esteve envolvido na direção do excelente Entre Rios, um documentário que conta como ocorreu o processo de urbanização de São Paulo, e como a cidade “enterrou” seus corpos d’agua numa sequência impressionante de medidas.

O segundo episódio do Volume Vivo  – Água de Dentro, se debruça sobre o conceito e importância fundamental da gestão local e integrada das águas urbanas, reconhecendo a falência do modelo adotado em São Paulo, e em outros tantos lugares do mundo, de valorizar a busca de água em outras bacias em processos de transposição, em detrimento da água local, ou água de dentro (da bacia hidrográfica), como colocado no filme. Por trabalhar com este principio da gestão local das águas pude contribuir diretamente com a conceituação do episodio, e tive a oportunidade de explorar parte do conteudo no próprio filme, que já está disponível online a partir de hoje! Assista, partilhe, leve adiante! As soluções são mais simples do que pode se imaginar, a julgar pela dimensão da crise, confira!

V.Vivo2

 

Guilherme Castagna

 

Debate sobre a Crise da Água, e as soluções criativas oferecidas pela Permacultura, do micro ao macro

Amig@s, na próxima terça acontece um debate aberto mediado pelo jornalista Luiz Nassif na Casa da Cidade, em que eu e Marussia Whately, coordenadora da Aliança pela Água, faremos uma exposição conjunta da situação, dos desafios, dos problemas, das obras em andamento e previstas pelo governo do estado, e outros caminhos possíveis para vivermos uma vida digna com segurança hídrica na macrometrópole paulista. Do micro ao macro, da residência às estratégias urbanas, que caminhos a permacultura, como ciência de design ecológico, oferece para criarmos uma relação saudável e positiva com as nossas águas. Recomendo!

Convite Água @ Casa da Cidade

 

Este evento é um encontro de uma série de três promovido pelo coletivo PermaSampa em conjunto à Aliança pela Água e Casa da Cidade, para oferecer um olhar criativo e proativo sobre a Crise. Damos com esse mais um passo importante para a disseminação de boas práticas, saude, qualidade de vida e segurança hídrica. Junte-se a nós!

Um grande abraço,

 

Guilherme Castagna

Aplicação da tecnologia flowform para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)

Na reta final para a realização do curso “A Natureza Rítmica da Água“, compartilhamos o artigo abaixo, escrito por Paul Van Dijk (facilitador do curso) e traduzido pelos parceiros do Curso do Rio, em que o autor compartilha os princípios fundamentais da aplicação da tecnologia dos flowforms para a revitalização da água tratada por uma ETE na cidade de Soerendonk, na Holanda. Uma experiência de revitalização plena e de elevados princípios de restauração ecológica.

O Curso acontece dos dias 03 a 05 de Julho na Fazenda Retiro, em Ilhabela. Estaremos lá!

Boa leitura!

http://cursodorio.com.br/home/aplicacao-da-tecnologia-flowform-no-tratamento-de-agua-de-esgoto-em-soerendonk-holanda/

Aplicação da Tecnologia Flowform® no Tratamento de Água de Esgoto em Soerendonk – Holanda

Situação e Ambição

Escondida atrás da densa vegetação, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Soerendonk já trata a água de esgoto doméstico das cidades vizinhas há mais de 40 anos. Visando modernizar esta ETE, o Comitê de Águas De Dommel começou a considerar as mais modernas tecnologias disponíveis na Europa.
O desempenho técnico de purificação da ETE foi melhorado. A integração na paisagem foi garantida pelo cuidado com a arquitetura, com a preservação de estruturas verdes e com o reforço dos principais elementos da estrutura ecológica. Trilhas de caminhada e ciclismo ao longo dos cursos d’água foram integrados em um circuito regional de lazer.
Em uma Gaita D’Água (Water Harmonica) construída em grande escala, na qual o efluente dos filtros de areia é oxigenado e ritmicamente tratado em uma cascata de flowforms®. Deste modo o efluente é limpo de resíduos bacterianos e inoculado com os organismos típicos da flora e fauna da micro bacia. O resultado é a pedra fundamenta deste projeto servindo integralmente às ambições do comitê. Outros objetivos alcançados são a melhoria da qualidade dos efluentes, armazenamento de água na bacia hidrográfica, restauração da paisagem natural e a criação de opções recreativas e educativas para o público.

A Gaita D’Água

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)O design da Gaita D’Água Soerendonk é composto por três seções,  construídas no entorno da ETE convencional: lagoas daphnia (1), pântanos vegetados (2) e a  lagoa pró biótica (3) (a partir de onde a água é levada através de uma passagem de peixes para o rio Buulder Aa ). O filtro de areia faz com que seja possível poupar espaço, porque por este filtro a carga da matéria em suspensão nos tanques de daphnia diminui. Além disso a economia de espaço é obtida usando o pântano vegetado parcialmente como um filtro, com plantas aquáticas submersas. Todo o efluente das águas residuais de 40.000 habitantes (5000 m³/d) é tratado nesse sistema, com capacidade hidráulica máxima de 1.000 m³/h. No total, o tempo que a água permanece na Gaita é de 4 dias.
Todo o sistema  da Gaita D’Água Soerendonk é aberto ao público. Um percurso de bicicleta leva à uma ponte sobre as lagoas de daphnia na seção 1 (linha amarela, à direita da figura 1), com vista para a cascata de flowforms®. Por meio de um passeio as seções 2 e 3 podem ser visitadas e experienciadas.

A Cascata de Flowform®

Entre o filtro de areia da antiga instalação convencional (diretamente acima de 1) e as Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)logoas de daphnia, foi construída uma cascata de flowform® (à direita de 1), que da ao efluente um tratamento rítmico. Pela primeira vez no mundo todo o fluxo de efluentes de uma estação de tratamento de esgoto será integralmente submetido a um processo rítmico de vitalização, o que não só irá melhorar a quantidade de oxigênio na água de uma forma perfeita, mas que também tem um efeito estimulante sobre toda a ecologia da bacia hidrográfica. Esse sistema foi desenhado pelo artista Paul van Dijk, que enfrentou o desafio de traduzir os modelos existentes de flowform em pequena escala para um conceito tecnicamente viável para grandes vazões, lidando também com uma inclinação muito sutil (5%).
O movimento extremamente vivaz da água pode ser observado a partir da ponte para bicicletas.
A cascata consiste em 45 fileiras de flowform® cobrindo uma área de cerca de 30 x 6 metros. Uma fileira contém 6 módulos. Cada módulo consiste de 3 flowforms®. Consequentemente, uma fileira é composta por 18 flowforms®.
O fluxo total de água que abastece o sistema é distribuído igualmente entre estas 45 fileiras.
Uma unidade flowform®, projeto de Paul van Dijk, mede cerca de 50 x 100 x 15 cm, é feita de um poliéster(totalmente fechado) e preenchida com espuma PU. Uma unidade contém 3 Flowforms®.

Ritmo e Tecnologia  Flowform®

A água é a portadora da vida. Água saudável é de importância crucial para a emergência e manutenção dos processos vitais.
Paul van Dijk: “pela observação cuidadosa do comportamento da água em diferentes situações naturais, torna-se claro que é da natureza das águas reagir com ritmo à resistência, por menor que esta seja. E, em particular, com um trajeto de vórtices espiralando para a esquerda e a para direita. Pense, por exemplo, em um rio sinuoso  ou na sequência de vórtices gerados atrás de um pilar em um rio. Com vórtices em espirais rítmicas a água esta em seu elemento”.

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)

Imagem 1: Uma trilha de vórtices feita pelo movimento linear de um pincel da esquerda para a direita em água parada, visível pelo uso de um contraste branco.
Imagem 2:Diagrama dos movimentos da água através de uma cascata de flowforms.

Paul: “Na concepção de um flowform® eu tento “estruturar” a resistência criando relações sutis e curvaturas nas superfícies, de modo que a água reaja com um ritmo persistente no padrão de fluxo em lemniscata. É isso que eu chamo do princípio da fowform®. O flowform® foi desenvolvido empiricamente de acordo com a natureza da própria água. A água que foi ritmicamente tratada desta maneira pode ser portadora de uma variedade de processos de vida “.

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)

Primeiro no Mundo

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)Essa é a primeira vez que o princípio da flowform® encontra aplicação nessa escala, para um volume grande de água e com tão pouca inclinação (aqui houve pouca declividade disponível, apenas 30 cm). Este projeto foi concluído na Primavera de 2012.

 

 

 

Tradução: Esse artigo foi traduzido por Gabriel Barbosa Lima com autorização direta de Paul Van Dijk

Bibliografia: Schwuchow: água energizante, tecnologia flowform e o poder da natureza. Sophia Books, Reino Unido de 2010.
John Wilkes: Flowforms. O poder rítmico da água. Floris Books, Reino Unido de 2003.
Theodor Schwenk: Das caos sensata. Verlag Freies Geistesleben. Stuttgart (DE) 1962
http://www.paul-van-dijk.com

Série de cursos inspiradores sobre a Água – Junho & Julho em São Paulo

A crise de abastecimento de água que todo o Sudeste do país vive de maneira intensa vem abrindo espaço para reflexões profundas sobre sua origem, e estimulando o desenvolvimento de uma nova consciência, prática, de convivência harmoniosa com a Água. Como parte deste movimento temos a feliz oportunidade de presenciar a realização de uma série de cursos que trazem um olhar sutil, que busca compreender a natureza essencial da água para a partir dai desenvolver formas ainda mais inovadoras e profundas de colaboração com este que é o elemento essencial da Vida neste planeta. À Água, e aos novos e ancestrais cuidadores do liquido primordial, em especial o originador desse olhar – Viktor Schauberger – nossa profunda reverência!

Cursodorio2015

O Curso do Rio trás ao Brasil o pioneiro Paul van Dijk, em 4 cursos inéditos em que vai compartilhar conosco mais de 40 anos de experiência na aplicação do Pensamento Orgânico aos mais variados contextos da vida prática.

Paul é responsável por diversos projetos de tratamento de águas em escala industrial utilizando Flowforms – um método inspirado na natureza da água, que restabelece sua vitalidade e permite tratar com alta qualidade grandes quantidades de água a custos baixos. Paul é discípulo direto de John Wilkes, autor do livro Flowforms, trazido ao Brasil pela Editora Senac.

Botânica, escultura, performance e aprendizagem também são expressões da paixão de Paul pelo tema da Metamorfose, do Movimento e da Forma, um explorador e professor dedicado da Ciência Goethenística, que domina como poucos sua aplicação no Universo da Água!

Serão 4 cursos oferecidos entre São Paulo e Ilhabela (SP):

22 de Junho – Água: equilíbrio dinâmico entre polaridades, Espaço Cultural Rudolf Steiner, São Paulo (PDF)

24 de Junho – Um Novo Olhar para Plantas, Espaço Cultural Rudolf Steiner, São Paulo (PDF)

26, 27 e 28 de Junho – Pense como Natureza, Espaço Cultural Rudolf Steiner, São Paulo (PDF)

3, 4 e 5 de Julho – A Natureza Rítmica da Água, Fazenda Retiro Ilhabela/SP (PDF)

Uma oportunidade única de mergulhar em novos conhecimentos! Viu os PDF’s e quer saber mais? Confira o site do Curso do Rio!

Participe, e ajude a divulgar, colaborando para trazer este conhecimento de forma prática às nossas vidas e às nossas cidades!